Detalhes da Notícia

Voltar para a Página Principal

Uso de Repelente de insetos na gravidez

Com todo o alarme que esta sendo feito na mídia com relação ao Aedes aegypti, devido as doenças por ele transmitidas que são a Febre Amarela Urbana, Dengue, Chikungunya e Zika, esta por último tem gerado medo na população, principalmente entre as gestantes, pois é significativo os casos de microcefalia que tem ocorrido em várias crianças do país, relacionado ao Zika vírus.

Foi comprovado que a ocorrência da microcefalia esta relacionada as gestantes que contrairam o Zika vírus ainda na gestação.

Por esse motivo, a melhor forma de você futura mamãe evitar a ocorrência desta doença é usando repelente contra insetos.

O Ministério da Saúde recomenda às gestantes a utilização do repelente tópico. 

Veja abaixo a nota técnica 2015 sobre o uso de repelentes cosméticos durante a gravidez:

A Gerência Geral de Cosméticos (GGCOS/ Anvisa) faz considerações quanto o uso de repelentes de insetos durante a gravidez, lembrando que a Resolução vigente RDC Nº 19, de 10 de Abril de 2013, estabelece os requisitos técnicos mínimos relativos à segurança, à eficácia e à rotulagem para a concessão de registro de produtos cosméticos repelentes de insetos.

1- Para comprovação de segurança de repelentes de insetos são exigidos, no mínimo, estudos de irritação cutânea primária e acumulada, de sensibilização cutânea e de fotossensibilização, que devem ser realizados no produto acabado.

2- Como comprovação de eficácia, são apresentados no registro, estudos de eficácia do produto acabado, efetuados de acordo com as diretrizes da Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos da América (EPA), da Organização Mundial de Saúde (OMS) ou outras metodologias validadas e reconhecidas internacionalmente. Entretanto, até a presente data, nenhum outro teste diferente da metodologia EPA foi apresentado.

3- A norma estabelece ainda condições específicas para uso da substância N,N-DIETILMETA-TOLUAMIDA ou N,N-DIETIL-3-METILBENZAMIDA (DEET). Produtos a base de DEET não devem ser usados em crianças menores de 2 anos e, em crianças entre 2 e 12 anos, a concentração dever ser no máximo 10% e a aplicação deve se restringir a 3 por dia. Concentrações superiores a 10% são permitidas para maiores de 12 anos.

4- Apesar da RDC Nº 19/2013 contemplar critérios de uso apenas para o DEET, outros ativos repelentes podem ser utilizados. Estes ingredientes são reconhecidamente seguros para uso em produtos cosméticos conforme compêndios de ingredientes cosméticos internacionais.

5- Além do DEET, no Brasil são utilizadas em cosméticos as substâncias repelentes Hydroxyethyl isobutyl piperidine carboxylate (Icaridin ou Picaridin) e Ethyl butylacetylaminopropionate (EBAAP ou IR3535), além de óleos essenciais como Citronela, Andiroba e outros. Entretanto, um número restrito de repelentes registrados apresenta óleos naturais em sua formulação.

6- A norma vigente não contempla nenhuma recomendação ou restrição de uso em gestantes.

7- Estudos, disponíveis na literatura, conduzidos em humanos durante o segundo e o terceiro trimestre de gestação e em animais durante o primeiro trimestre, indicam que o uso tópico de repelentes a base de DEET por gestantes não apresenta riscos.

8- A literatura consultada também atesta a segurança de uso de repelentes à base de Ethyl butylacetylaminopropionate (EBAAP ou IR3535) em gestantes.

9- Nos Estados Unidos, os produtos repelentes são regularizados pela EPA (United States Enviromental Protection Agency). As seguintes substâncias foram avaliadas nos produtos regularizados pela EPA: Catnip oil, Óleo de citronela; DEET; IR 3535 (3-[N-Butyl-Nacetyl]-aminopropionic acid, ethyl ester); Picaridin; p-Menthane-3,8-diol e 2-undecanone ou methyl nonyl ketone. Portanto, os ativos utilizados no Brasil estão contidos dentre os utilizados nos Estados Unidos.

10- O CDC (Centers for Disease Control e Prevention), também nos Estados Unidos, considera e recomenda o uso de produtos repelentes por gestantes uma vez que a EPA não estabelece Página 2 de 2 (MV) nenhuma restrição nesse sentido. Entretanto, destaca que as recomendações de uso da rotulagem devem ser consideradas, além de promover orientações adicionais conforme material de divulgação consultado.

11- Diante do exposto, concluímos que produtos repelentes podem ser utilizados por gestantes considerando a possível relação entre o Zika vírus e os casos de microcefalia diagnosticados no país. 

QUALQUER DÚVIDA ENTRE EM CONTATO PELO: 3542-1409

OU ENTRE EM CONTATO COM UM POSTO DE SAÚDE

Mais Notícias

  • 13/09/2017

    Semana do Dia da Árvore terá programação especial

    Para comemorar a Semana do Dia da Árvore, a Diretoria Municipal d...

    Ver notícia completa
  • 12/09/2017

    CLÁSSICOS DO CINEMA

    A PREFEITURA MUNICIPAL ATRAVÉS DA DIRETORIA DE CULTURA, CONVIDA P...

    Ver notícia completa
  • 12/09/2017

    Campanha da Prefeitura apresenta dicas e cuidados com animais de estimação

    A Prefeitura de Novo Horizonte, através da Diretoria Municipal de...

    Ver notícia completa